Site name

Ofertar com amor

GLORIFICA AO SENHOR!

“... porque tudo vem de ti, e das tuas mãos to damos” (1Cr 29.14b)

Peter Marshall, disse: “Contribua de acordo com a sua renda para que Deus não torne a sua renda de acordo com a sua contribuição.” A contribuição com a obra de Deus é uma prática bíblica inquestionável, indispensável, atual, oportuna e com as seguras promessas de colheitas abundantes. Negligenciar este princípio é prova cabal de um coração petrificado, desobediente, incrédulo e amante dos bens materiais. Há os que brincam com a Palavra de Deus. Porém há os que obedecem a Palavra de Deus, sendo fiéis na mordomia dos bens. A devolução dos dízimos é um ensino bíblico insofismável, presente antes da lei, durante e lei e depois da lei. A contribuição pessoal, voluntária, generosa, sistemática e alegre está presente tanto no Antigo como no Novo Testamento. O rei Davi ofereceu-nos alguns princípios importantes sobre a contribuição que glorifica a Deus, quando se preparava para a construção do templo de Jerusalém. Vejamos:

1. PELO TAMANHO DA OBRA (1Cr 29.1)

Davi disse: “... esta obra é grande; porque o palácio não é para homens, mas para o Senhor Deus”. Davi estava construindo o templo e o palácio. Queria fazer o melhor e dar o melhor para Deus. Tudo o que fazia não era pensando nos homens, mas em Deus. Igualmente, a igreja está realizando uma grande obra: não apenas na construção e ampliação de templos, mas na expansão do Reino de Deus. Há templos a serem construídos, igrejas a serem plantadas, pessoas necessitadas a serem assistidas, missionários a serem enviados, muito terreno a ser conquistado aqui, e além-fronteiras.

2. PORQUE O MELHOR TEM QUE SER PARA DEUS (1Cr 29.2)

Davi, com todas as suas forças, preparou para a Casa de Deus, em abundância, aquilo que existia de melhor. Deus é dono de tudo. Tudo o que temos vem das suas mãos. Ofertar é graça oferecida por Deus. Ele não é Deus de sobras, mas sim, de primícias. Ele não divide a sua glória com ninguém. Tudo que fazemos para Deus precisa ser feito com excelência. Não podemos ofertar a Deus com usura, pois ele não nos dá suas bênçãos por medida. Ao ofertar ao Senhor, temos que colocar aí o nosso coração e a nossa força.

3. MOTIVAÇÃO CORRETA (1Cr 29.3)

Davi não apenas recolheu ofertas dos outros, mas ele pessoalmente, deu para a Casa do seu Deus o ouro e a prata particulares que tinha. E fez isso, porque amava a Casa do seu Deus. Quem ama dá. Quem ama é pródigo em ofertar. O amor de Deus em nós, opera eficazmente com todo poder para realizarmos a sua obra sacrificialmente, a exemplo de Jesus. Temos que contribuir com o mesmo amor que fomos salvos pelo Senhor Jesus. Quem coloca o amor nas riquezas é porque ainda não experimentou o amor de Deus. Mesmo que alguém entregue tudo, até a própria vida, se não tiver amor, nada tem valor eterno. O amor nos leva a ofertarmos generosamente para Deus, pois recebemos dele e devolvemos a Ele.

4. ALEGRIA CONTAGIANTE (1Cr 29.5-9)

O coração do ofertante sabe que a graça de Deus é melhor do que a vida. Ofertar para a obra de Deus é muito mais do que dar apenas valores, é ser um valor eterno nas mãos do Senhor. O ato de ofertar é uma expressão cúltica, de adoradores que adoram a Deus em Espírito e em verdade. Deus ama a quem dá com alegria. A voluntariedade e a alegria são ingredientes indispensáveis no ato de contribuir. Davi perguntou ao povo: “Quem está disposto, hoje, a trazer ofertas liberalmente ao Senhor? ...O povo se alegrou com tudo o que se fez voluntariamente; porque de coração íntegro deram eles liberalmente ao Senhor; também o rei Davi se alegrou com grande júbilo” (1Cr 19:5,9). Temos que ofertar no gazofilácio, na casa de Deus, exultando de alegria, completa felicidade, júbilo e dançando com celebração na presença do Senhor.

5. SOMENTE PARA A GLÓRIA DE DEUS (1Cr 29.10-22)

O resultado da alegre, generosa e abundante oferta do rei e do povo foi a manifestação da glória de Deus. Davi louvou a Deus pela sua glória, poder e riqueza, reconhecendo que as ofertas que deram tinham vindo do próprio Deus. O povo adorou a Deus e houve grande regozijo. O propósito mais elevado e sublime da oferta é a manifestação única da glória de Deus. Que tudo o que somos e temos esteja a serviço de Deus e seja um tributo de glória a Deus. Que os bens que Deus nos deu estejam no altar de Deus e a serviço a dele.

Pr. Ceny Tavares